Translate

quinta-feira, 31 de março de 2016

Quem são esses manifestantes contra-Lula e contra-Dilma?



Em artigo publicado pelo Dr. Micheline Ladoucer avalia as manifestações contra Dilma e Lula; os movimentos e seus financiadores que representam os interesses de um projeto neoliberal junto a juventude com o fim de desestabilizar governos progressistas em todo mundo, especialmente na America-Latina.
Eles não são os pobres das favelas feitos a cair ainda mais pelas políticas neoliberais do governo PT.
De acordo com uma sondagem da Folha de São Paulo,  em sua maioria os manifestantes são de uma classe social privilegiada (com uma educação e um nível de remuneração elevado) (Veja a tabela aqui abaixo). Entre essa elite alguns estão a exigir o retorno dos militares ao poder. Tem-se ainda aqui que o período governamental de Lula (2003-2010) pareceria ter atendido os interesses socio-políticos e econômicos dessas classes privilegiadas do Brasil.

O perfil do manifestante na Avenida Paulista, porcentagem de acordo com a renda 


A maioria dos manifestantes que estão a exigir o linchamento do ex-presidente do Brasil e o e impeachment da presidenta Dilma Rousseff näo escondem sua ideologia neoliberal ou sua decepção em relação a todas as políticas -“-neoliberais com cara humana” — para o conjunto da classe média.
É necessário sublinhar que o governo Dilma Rousseff continua a promover um governo populista de tendência neoliberal. Por sua parte Lula foi um bom amigo de George W. Bush. Até mesmo antes de sua primeira presidência ele se apressou a fazer uma visita ao Pentágono… (dezembro 2002)
Será Dilma suave demais frente a Washington? Qualquer que seja o caso ela ainda está sendo espionada pela NSA. As ameaças contra ela, por suspeita de corrupção, terão provavelmente motivado a presidenta a ignorar as últimas revelações de espionagem (2015). Uma coisa certa entretanto é que a destabilização do governo Dilma vai a favor de Washington
Quem são os “justiceiros do Brasil. Quem financia esses movimentos de protestos?
Os principais movimentos de protestos tem usado muito as redes de comunicação social para chamar os brasileiros a manifestarem-se para o impeachment da presidenta. Os três principais movimentos de oposição são: Movimento Brasil, Estudantes pela Liberdade e Vem pra Rua.




1.O Movimento dos Estudantes pela Liberdade
O movimento dos Estudantes pela Liberdade é um representante da organização americana “Students of Liberty”. Essa organização foi criada nos Estados Unidos. Os jovens participando nela se definem como “libertários”. Eles representam a direita e convidam os líderes do mundo inteiro a unirem-se aos Estados Unidos (estágios para estudantes). Eles referem-se também ao Instituto Cato e ao Senador Rand Paul. (Veja o artigo em inglês : Regime Change in Brazil? Right Wing Protest Movement Funded by US Billionaire Foundations, Training in US). Os Estudantes pela Liberdade estão também envolvidos nas manifestações contra o presidente Maduro da Venezuela, assim também como estiveram presentes na Praça Maidan na Ucrânia, em 2013.
The original source of this article is Global Research

Apesar da organização ter fins não lucrativos ela continua a buscar e a aceitar doações privadas de indivíduos, fundações, e contribuições. No seu primeiro ano a SFL teve 50 000 dólares de rendimentos. Os rendimentos aumentaram chegando a atingir 250 000 dólares no segundo ano, e depois 500 000 dólares no terceiro ano. As despesas foram de 65 % dos rendimentos no primeiro ano, 75 % no segundo ano, e 80 % no terceiro ano.
Ainda mais, o movimento é financiado também por investimentos de banqueiros como Hélio Beltran Filho, que faz parte do Grupo Ultra, um dos maiores conglomerados do país e o qual apoiou o golpe de estado de 1964 no Brasil. (Quem financia os protestos do dia 13?)
John Templeton Foundation – essa deu mais do que um milhão de dólares ao movimento americano Students for Liberty.


2. O Movimento Brasil Livre
O estudante fundador do Movimento Brasil Livre Kim Kataguiri recebeu apoio de organizações como Atlas e “Students for Liberty”. O MBL também recebeu doações de organizações estrangeiras. O movimento MBL, assim como o MEL (ou Students for Liberty) , é financiado em partes por Koch Brothers, magnatas do petróleo americano, e por formações do grupo Atlas, nos Estados Unidos, as quais são financiadas por homens de negócios. A ligação do MBL com a indústria Koch criou rumores de que o movimento contribui para a destabilização da petroleira brasileira Petrobras, ela mesmo estando agora abaixo de acusações de corrupção. May Vivian líder da época da PML afirmou ter recebido recursos da organização Atlas e dos “Students for Liberty”. Essas duas organizações foram criadas nos Estados Unidos e são apoiadas por fundações dos mesmos.

Kim Kataguiri líder da juventude conservativa do Brasil


 (Foto : Fernando Conrado / Democratize)
Aqui Kim Kataguiri ao lado do brasileiro mega-homem-de-negócios Jorge Gerau, presidente do conselho administrativo do Grupo Gerdo. Ele perdeu seu posto no Conselho de Administração da Petrobras em abril de 2014.
3. Movimento Vem pra Rua
O movimento Vem pra Rua (vemprarua.org.br) é financiado principalmente pela Fundação Estudar de Jorge Paulo Leman, um dos brasileiros mais ricos e proprietário da indústria de cerveja. Ele é também parceiro da brasserie AmBev, assim como também proprietário dos direitos da marca americana de fast food Burger King.
Esse movimento foi criado em setembro de 2013 e passou rapidamente de 20 a 300 000 amigos Facebook.


Esse movimento tenta dar uma imagem de que defende uma ideologia moderna e progressiva mas na realidade esse é um movimento conservativo e neoliberal sendo como são para a privatização da educação e da saúde.
“Another of the leading groups, Students For Liberty (EPL) – working together with the MBL – is the Brazilian associate of an organization with the same name in the U.S., also financed by the Koch Brothers. Furthermore, investment banker Hélio Beltrão Filho, the national head of EPL, inherited shares in Grupo Ultra, one of Brazil’s largest holdings. Grupo Ultra provided logistic and financial support to the right-wing military coup in 1964.
Fabio Ostermann and Juliano Torres, two of MBL leaders, were educated in the Atlas Leadership Academy, linked to the Atlas Economic Research Foundation, financed by the notorious U.S. businessmen the Koch Brothers.”
Em resumindo pode-se dizer que os líderes dos acima mencionados movimentos são a favor do neoliberalismo, da privatização dos serviços de saúde e educação assim como da privatização das estatais, como por ex. da petroleira brasileira Petrobras.
O grupo Revoltados On Line “Made in Brazil”

Marcello Reis, um dos líderes do Revoltados On Line. / A.B.
Fonte : O Comercio do Impeachment, 10 de Março de 2016
Diz-se aqui que um outro ponto é que não se deseja uma outra Venezuela assim como não se deseja uma “terrorista” como chefe de estado. Marcello Reis, fundador do grupo Revoltados On Line, acha que Dilma detesta o Brasil e que infelizmente ela é uma terrorista que governa o país.(“Dima Rousseff odeia o Brasil, é uma terrorista que infelizmente está no poder nesse país”.) 700 000 pessoas* seguem esse movimento que quer banir o “petismo” ou seja o PT, e o bolivarianismo no Brasil. Esse líder é um exemplo dos que creem que só um golpe de estado militar permitiria por fim a esse governo “corrompido” … e aqui ele dá a posição do militar Jair Bolsonaro, conhecido por suas posições de extrema direita e anti-homosexual, como exemplo.
Brasil – “Que país é esse? …   E a “Revolução Colorida” à brasileira continua … !
 Micheline Ladouceur
Artigo original em francês :
Traduzido do francês por Anna Malm, artigospoliticos.wordpress.com para Mondialisation.ca 
[*observe-se aqui entretanto que seria bom lembrar-se de que o Brasil tem 200,4 milhões de habitantes – 2013 Wikipedia] 


The original source of this article is Global Research

segunda-feira, 28 de março de 2016

Síria: narrativas matam!

29.03.2016
Síria: narrativas matam!. 24057.jpeg






















Hoje se sabe que a luta do povo sírio e do governo sírio mudou o mundo. Reuniu russos e chineses (BRICS) e jogou-os na frigideira 'ocidental'. E mudou a ordem global, de unipolar para multilateral - da noite para o dia.

Se, no primeiro ano de guerra na Síria, a quantidade descomunal de jornalistas que repetiram e reforçaram as premissas das quatro falsas narrativas que adiante se discutem as tivessem contestado, criticado, investigado... talvez os mais de 250 mil sírios que morreram ainda estivessem entre nós.
(...) Segundo a Comissão Internacional Independente da ONU de Investigação sobre a Síria, a soma de mortos do lado das Forças do governo sírio era 2.569, em março de 2012, quando o conflito completava um ano. Naquele momento, a conta da Comissão da ONU, para todas as vítimas da violência política na Síria, era 5.000 mortos.

Esses números pintavam já há quatro anos, um quadro completamente do que se conhece ainda hoje sobre os eventos na Síria. Com certeza, esses números não confirmam as características do conflito sobre o qual elaboram os jornais, televisões e jornalistas e especialistas midiáticos e manchetes. No mínimo, a 'paridade' no número de mortos entre os dois lados sugere que o governo sírio usou força proporcional na ação inicial para pôr fim à violência. (...)

Para os políticos norte-americanos, a "Primavera Árabe" foi oportunidade imperdível para desestabilizar governos de estados adversários no Oriente Médio. Síria, o mais importante membro árabe do Eixo da Resistência liderado pelo Irã, tornou-se o alvo número 1.

Para promover 'mudança-de-regime' na Síria, os temas da "Primavera Árabe" teriam de ser oportunisticamente calibrados. Para tanto, muitos sírios teriam de morrer.

[Para a mesma finalidade] No Brasil-2016, todos os políticos da oposição teriam de ser desmoralizados em bloco. De fato, dado que o golpe no Brasil também visa a atender interesses do big business e da big finance internacionais, todos os partidos e políticos teriam de ser desmoralizados, e com eles seria extinta a história dos anos de governo bem-sucedido do PT. Começou então a 'santa cruzada',
na qual, quanto mais empenhado na salvação 'ética' do Brasil sem política, por jornais e redes de TV e jornalistas, mais se revela o jornalista corrupto-corruptor.
(Entreouvido na Vila Vudu)
No caso da Síria, foi considerado indispensável que "o ditador" se pusesse a "matar o próprio povo". Isso feito, o resto viria na sequência.

Palavras que matam(Palavras que roubam / Palavras que corrompem)

Na Síria, quatro narrativas chaves foram postas em circulação e re-narradas incansavelmente, ad nauseam, em todos os principais veículos da mídia-empresa ocidental, a partir de março de 2011, ganhando cada vez mais gás nos meses seguintes.

- O "ditador" está matando "o próprio povo";
- Os protestos são "pacíficos";
- A oposição é "desarmada"; e
- É "revolução popular".

Governos pró-ocidente na Tunísia e no Egito acabavam de ser derrubados em rápida sucessão nos dois meses anteriores, - e o 'quadro mental' do que já se tornava conhecido como "Primavera Árabe", de movimentos de base que levariam a 'mudança-de-regime', já existia na psique regional.

Aquelas quatro 'narrativas' que se haviam carregado de sentido na Tunísia e no Egito, foram então reformatadas e carregadas para deslegitimar e minar qualquer governo contra o qual elas fossem 'miradas'.

Mas para usar essas narrativas na Síria com o pleno potencial delas, (1) os sírios teriam de tomar as ruas em números significativos [no Brasil também já tivemos essa fase; e a deliberação de 'encher as ruas' apareceu muito clara; de fato, nem alguém tentou disfarçar a intensa campanha de convocação às ruas que foi comandada pela mídia-empresa (NTs)]; e (2) civis teriam de morrer nas mãos de brutais forças de segurança.

Isso feito, o que viesse depois, se interessasse aos 'organizadores', poderia ser facilmente convertido em "revolução" pelo vastíssimo conjunto de veículos de mídia-empresa estrangeira e regional que passaria a trabalhar para implantar nas discussões, em todo o ocidente, esse discurso da "Primavera Árabe".

Mas, na Síria, os protestos não funcionaram como haviam funcionado na Tunísia e no Egito. Naqueles primeiros poucos meses, viram-se manifestantes que se contavam às centenas - algumas vezes em milhares -, e manifestavam diferentes graus de descontentamento político. Muitos daqueles manifestantes/manifestações seguiam um padrão de incitamento que brotava das mesquitas sob influência wahhabista, nos sermões das 6ªs-feiras, ou depois de matanças locais que induziam multidões indignadas a reunir-se em funerais públicos.

Membro de uma proeminente família de Daraa explicou-me que naquele momento havia confusão sobre quem estava matando pessoas nas manifestações naquela cidade - se "o governo" ou "facções clandestinas".

Explicou-me que, então, havia dois tipos de opinião entre os cidadãos de Daraa: "Uma, de que o governo matava mais gente para conter o movimento e forçar as pessoas a suspender os protestos e pôr fim às manifestações. A outra, de que havia facções clandestinas interessadas em continuar, porque, se não houvesse os funerais, não haveria como mobilizar multidões nas ruas."

Com o benefício do distanciamento, examinemos essas narrativas, agora que a guerra já dura cinco anos.

Sabemos hoje que vários milhares de soldados das forças de segurança sírias foram mortos no primeiro ano, a partir de 23/11/2011. Daí portanto se sabe que a oposição esteve "armada" desde o início do conflito.

Há provas materiais (imagens) de que pistoleiros entraram na Síria, pela fronteira com o Líbano, em abril e maio de 2011. Sabe-se, de testemunhas confiáveis, que havia pistoleiros atirando contra civis em atos terroristas, e que os "protestos" não foram absolutamente "pacíficos".

A missão de observação da Liga Árabe que trabalhou durante um mês dentro da Síria no final de 2011, relatou:

"Em Homs, Idlib e Hama, a missão de observação testemunhou atos de violência cometidos contra forças e civis que resultaram em vários mortos e feridos. Exemplos desses atos incluem bombardeamento de um ônibus civil; assassinato de oito pessoas e ferimentos em muitas, inclusive mulheres e crianças, e bombardeamento de um trem carregado de óleo diesel. Em outro incidente em Homs, foi explodido um ônibus da polícia, matando dois policiais. Um duto de combustível e algumas pontes pequenas também foram bombardeados."

O padre Frans van der Lugt, holandês há muito tempo residente na Síria, e que for morto em Homs em abril de 2014, escreveu em janeiro de 2012:

"Nunca, desde o início, os movimentos foram absolutamente pacíficos. Desde o primeiro dia vi manifestantes armados misturados à multidão; quando atiravam, miravam primeiro contra a polícia. Muito frequentemente, a violência das forças de segurança foi reação à brutal violência daqueles manifestantes armados."

Poucos meses antes, em setembro de 2011, o mesmo padre Franz observara:

"Desde o início houve o problema dos grupos armados, que também são parte da oposição (...). A oposição que está na rua é muito mais forte que qualquer outra oposição. E a oposição que está na rua está armada e frequentemente se vale de brutalidade e violência; na sequência, atribuem a culpa ao governo."

Hoje se sabe também que, fosse a Síria o que fosse, lá jamais aconteceu qualquer "revolução popular". O Exército Árabe Sírio permaneceu coeso, mesmo depois do noticiário massivo nos veículos da mídia comercial, de que teria havido deserção em massa. Centenas de milhares de sírios continuaram a fazer manifestações não noticiadas em apoio ao presidente Bashar al-Assad. As instituições do Estado e do governo e a elite empresarial permaneceram, na ampla maioria, leais a Assad. Grupos minoritários - alauítas, cristãos, curdos, drusos, xiitas e o Partido Baath, que reúne maioria de sunitas - não se uniram à oposição contra o presidente Assad. E as principais áreas urbanas onde se concentra grande parte da população síria mantiveram-se sob a proteção do Estado, com raras exceções.

Afinal de contas, "revolução democrática" genuína na Síria, nunca teria "escritórios" operacionais na Jordânia e na Turquia. Nem alguma "revolução" de algum "povo oprimido" na Síria poderia algum dia ser financiada, armada e assessorada por Qatar, Arábia Saudita, EUA, Grã-Bretanha e França.

Semear "narrativas jornalísticas" para obter vantagem geopolítica 
O Manual para Forças Especiais Militares dos EUA em Guerra Não Convencional (GNC) [ing. Unconventional Warfare (UW) Manual of the US Military's Special Forces], de 2010, ensina:

"O objetivo dos esforços da GNC [ing. UW, Unconventional Warfare] é explorar as vulnerabilidades políticas, militares, econômicas e psicológicas de uma potência hostil; para tanto, devemos desenvolver e manter forças locais de resistência que realizem os objetivos estratégicos dos EUA (...). No futuro hoje previsível, as forças dos EUA se engajarão, predominantemente em operações de Guerra Irregular (GI, ing. IW, irregular warfare)."

Telegrama secreto do Departamento de Estado dos EUA, datado de 2006, revela que o governo de Assad estava então em posição mais forte, domesticamente e regionalmente, que no ano anterior, e sugere meios para enfraquecê-lo: "Adiante, nosso resumo de vulnerabilidades potenciais e possíveis meios para explorá-las (...)." Segue-se uma lista de "vulnerabilidades" - políticas, econômicas, étnicas, sectárias, militares, psicológicas - cada "vulnerabilidade" acompanhada da sugestão de "ações" para "explorá-la".

Tudo aí é importante. A doutrina norte-americana da guerra não convencional declara que, praticamente em todos os casos, populações de estados adversários incluem minorias ativas que respectivamente se opõem e apoiam o governo; mas, para que a organização de um "movimento de resistência" seja bem-sucedida, é preciso induzir as percepções da grande "população média não engajada", de modo a que se decida a derrubar quem esteja no governo. Diz o manual (cito aqui, de memória, trechos que recolho de artigo que escrevi há algum tempo):

- Para converter "população média não engajada" em força de apoio à insurgência, a GNC recomenda "criar atmosfera de amplo descontentamento mediante propaganda e esforços políticos e psicológicos para desacreditar o governo."

Com a escalada do conflito, deve-se "intensificar a propaganda: e a preparação psicológica da população para a rebelião."

- Primeiro, deve haver "agitação" local e nacional (organização de boicotes, greves e outros esforços que sugiram forte descontentamento público. Na sequência, "infiltram-se organizadores e conselheiros estrangeiros e a propaganda vinda de fora do país (além de dinheiro, armas e equipamento)."

O nível seguinte das operações deve ser criar "organizações nacionais de frente [como o "Conselho Nacional Sírio"] e movimentos de libertação nacional [como o "Exército Sírio Livre"]" que levarão segmentos cada vez maiores da população na direção de aceitarem "violência política cada vez maior e sabotagem"; - e encorajar a orientação de "indivíduos [os Kataguiris SÃO EXATAMENTE ISSO (NTs)] ou grupos que conduzam atos de sabotagem em centros urbanos."

Já escrevi sobre estratégias de guerra não convencional apoiada por forças de fora da Síria quando a crise completou um ano - quando as narrativas dominantes na grande mídia comercial ainda eram "ditador matando o próprio povo", "protestos pacíficos", "oposição desarmada" e "revolução popular", além de "milhares de civis massacrados por forças do estado sírio".

Onde são fabricadas essas narrativas? Todas as imagens que vimos são montagens? Ou bastou fabricar apenas algumas frases e ideias - porque a "percepção" da vasta população 'média', uma vez 'modelada', cria ela mesma o próprio momentum 'natural' na direção da mudança de regime?

E o que nós, que vivemos na região, fazemos com toda essa impressionante nova informação sobre como se constroem as guerras contra nós - usando nós mesmos como coturnos em (nosso) solo, a serviço de agendas que não são as nossas?

Temos de criar nosso próprio "jogo"
Nesse jogo das narrativas, há lugar para dois jogadores.

A primeira lição que se aprende é que ideias e objetivos políticos podem ser construídos, modelados, afinados e usados com alta eficácia.

A segunda jogada que derruba pedras adversárias é que temos de construir e estabelecer indústria de imprensa independente e canais de distribuição de informação, para assim disseminar nossas próprias propostas de valores, para muita gente, sem parar.

Os governos ocidentais contam hoje de um exército comicamente salafrário de jornalistas ocidentais e regionais que ganham a vida com tentar nos destruir com propaganda, dia e noite. Não precisamos igualá-los em números - e também podemos usar estratégias para deter as campanhas deles contra nós, de desinformação. Jornalistas ocidentais que repetidas vezes publicaram informação falsa e danosa, que gerou risco de vida para nós que vivemos nessa parte do mundo têm de ser impedidos de entrar nos países regionais que estejam sob ataque.

De fato, não são jornalistas - prefiro descrevê-los como combatentes políticos militantes e 'armados' -, e não podem ser incluídos nas liberdades asseguradas democraticamente a profissionais da informação, não só da luta política. No caso da Síria:

Se, no primeiro ano de guerra na Síria a quantidade descomunal de jornalistas que repetiram e reforçaram as premissas das quatro falsas narrativas que acima se discutiram as tivessem contestado, criticado, investigado... talvez os mais de 250 mil sírios que morreram ainda estivessem entre nós. Talvez a Síria não tivesse sido destruída e talvez não houvesse 12 milhões de sírios sem teto. Talvez sequer existisse "ISIS".

Liberdade de expressão? Sou contra. Sou contra. Por que teríamos de garantir liberdade de expressão de objetivos que exigem a nossa morte? Por que, se os mortos somos nós?

Hoje se sabe que a luta do povo e do governo sírios mudou o mundo. Reuniu russos e chineses (BRICS) e jogou-os na frigideira 'ocidental'. E mudou a ordem global, de unipolar para multilateral - da noite para o dia. Também criou uma causa comum que uniu um grupo de estados chaves na nossa região e que hoje constituem a espinha dorsal de um crescente "Arco de Segurança" do Levante ao Golfo Persa. Temos hoje oportunidades imensas para reformatar o mundo e o Oriente Médio conforme nós os vemos e os desejamos. Novas fronteiras? Nós mesmos as traçaremos, cá de dentro do Oriente Médio. Terroristas? Nós os derrotaremos. ONGs? Criaremos as nossas, com cidadãos nossos e agendas nossas. Oleodutos? Nós decidiremos onde serão postos.

Mas é imprescindível começar a construir todas essas novas narrativas, antes que "o Outro" imperial corra a preencher o vácuo.

Uma palavra de precaução

A pior coisa que podemos fazer é perder tempo para 'refutar' ou 'rejeitar' essas narrativas impostas. Respostas, refutações e rejeições farão de nós os "rejeicionistas" no jogo deles. E não há como refutações e rejeições, para dar vida nova ao jogo deles. Nada disso.

O que temos de fazer é criar nosso próprio jogo narrativo - mobilizar o vocabulário nosso, carregado de significações para nós, em primeiro lugar porque é o que nos define e dá forma à nossa história e às nossas aspirações, consideradas as nossas realidades politicas, econômicas e sociais. Assim invertemos o jogo.

O invasor, ocupador, usurpador ficará com a dura missão de rejeitar e refutar e discutir a nossa versão. Que seja ele o rejeicionista, que rejeite e refute nossa narrativa, e o invasor, ocupador, usurpador trabalhará, afinal, para dar vida e fazer circular o nosso jogo. *****+
23/3/2016, Sharmine Narwani, RT
- See more at: http://port.pravda.ru/busines/29-03-2016/40676-siria_narrativas-0/#sthash.OI8ZokEL.dpuf

terça-feira, 22 de março de 2016

Alarme nuclear vermelho

Global Research, March 03, 2016
“Nós temos bombas nucleares”: foi o que declarou em 19 de fevereiro à Russia Today o analista político saudita Daham al-Anzi, de fato um porta-voz de Riad, repetindo em um canal árabe.
A Arábia Saudita já tinha declarado (The Independent, 30 de março de 2015) sua intenção de adquirir armas nucleares ao Paquistão (que não aderiu ao Tratado de  não proliferação), cujo programa nuclear militar ela financia.  Agora, por intermédio da al-Anzi, ela faz saber que começou a comprá-las há dois anos. Bem entendido, segundo Riad, para enfrentar a “ameaça iraniana” no Iêmen, no Iraque e na Síria, onde “a Rússia ajuda Assad”. Ou seja, onde a Rússia ajuda o governo sírio a libertar o país do chamado Estado Islâmico e outras formações terroristas, financiadas e armadas pela Arábia Saudita no quadro da estratégia da dupla EUA/Otan.
Riad possui mais de 250 caças-bombardeiros com dupla capacidade convencional e nuclear, fornecidos pelos EUA e pelas potências europeias. Desde 2012 a Arábia Saudita faz parte da “Nato Eurofighter and Tornado Management Agency”, a agência da Otan que administra os caças europeus Eurofighter e Tornado, que Riad comprou à Grã Bretanha em quantidade que é o dobro do que tem toda a Royal Air Force. Nesse mesmo quadro entra o iminente mega-contrato de 8 bilhões de euros – graças à ministra  Pinottti, eficiente representante de comércio de armas – para o fornecimento ao Kwait (aliado da Arábia Saudita) de 28 caças Eurofighter Typhoon, construídos pelo consórcio de que faz parte a Finmeccanica com indústrias da Grã Bretanha, Alemanha e Espanha. É a maior encomenda jamais obtida pela Finmeccanica, em cujos cofres entrará a metade dos 8 bilhões. Garantida com um financiamento de 4 bilhões por um pool de bancos, entre os quais Unicredit e Intesa Sanpaolo, e pela Sace do grupo Cassa Depositi e Prestiti.
Assim se acelera a reconversão armada da Finmeccanica, com resultados exaltantes para aqueles que se enriquecem com a guerra: em 2015 o valor da ação da Finmeccanica registrou na bolsa um crescimento de 67%.  À margem do “Tratado sobre comércio de armamentos”, ratificado pelo parlamento em 2013, no qual se estipula que “nenhum Estado parte autorizará a transferência de armas no caso em que este saiba que as armas poderão ser utilizadas para ataques dirigidos contra objetivos ou pessoas civis, ou para outros crimes de guerra”. Em face da denúncia de que essas armas fornecidas pela Itália são utilizadas pelas forças aéreas sauditas e kwaitianas realizando massacres de civis no Iêmen, a ministra Pinotti responde : “Não transformemos os Estados que são nossos aliados na batalha contra o EI em inimigos, isto seria um erro muito grave”. Seria sobretudo um “erro” fazer saber que sauditas e kwaitianos são  “nossos aliados”: monarquias absolutas onde o poder está concentrado nas mãos do soberano e de seu círculo familiar, onde partidos e sindicatos são proibidos; onde os trabalhadores imigrantes (10 milhões na Arábia Saudita, cerca da metade da força de trabalho; 2 milhões, em 2,9 milhões de habitantes no Kwait) vivem em condições de superexploração e escravismo, onde aquele que reivindica os mais elementares direitos humanos é enforcado ou decapitado.
É nessas mãos que a Itália “democrática” põe os caças-bombardeiros capazes de transportar bombas nucleares, sabendo  que a Arábia Saudita já as possui e que elas podem ser utilizadas também pelo Kwait.
Na “Conferência de Direito Internacional Humanitário”, a ministra Pinotti, depois de sublinhar a importância de “respeitar as normas do direito international”, concluiu  que “a Itália, nesse aspecto, é um país enormemente credível e respeitado”.
Manlio Dinucci
Artigo Publicado em Il Manifesto 
Tradução de José Reinaldo Carvalho para Resistência
Manlio Dinucci é jornalista e geógrafo.

França e a questão síria: A mentira, a náusea e as sanções

Global Research, February 29, 2016
raimbaud_michel
Michel Raimbaud
O pior ministro francês das relações exteriores jamais ofereceu uma fuga à França. Ele deixa para trás uma diplomacia arruinada, desacreditada e desmoralizada: nossos diplomatas seriam os melhores do planeta, mas não podem fazer milagres enquanto forem levados a só defenderem o indefensável, o que os coloca sistematicamente ao lado ruim da História. É aqui que está o busílis da questão.
A saída de um ministro tão estranho às relações internacionais, que só desperta ao ouvir o nome de Bachar al Assad, não provocará choro senão a ele mesmo e a seus cúmplices. Mas os otimistas inoxidáveis, cheios de esperança, deveriam desconfiar: se nunca se tem certeza do pior, menos ainda do melhor.
O ministro era um dos pilares do “Grupo de Amigos da Síria”, cuja lista dos Estados membros ilustraria perfeitamente a sentença já conhecida: com amigos como esses, não se precisa de inimigos. Retomando a tocha acesa pela França, quando do ataque da Otan contra a Líbia, Laurent Fabius fez de tudo para impulsionar nosso país à vanguarda da guerra da virtuosa “comunidade internacional”. Não foi ele mesmo que, meio irritado, meio ganancioso, considerava em julho de 2012 que “ainda existiam reforços possíveis em matéria de sanções”, insistindo para que a Grécia parasse de importar fosfato sírio?
O clube Elisabeth Arden (Washington, Londres, Paris) que pretende há um quarto de século encarnar a comunidade internacional, transformou-se no curso dos últimos anos em um diretório de bichos-papões tendo como inspiração os neoconservadores do “Estado Profundo” dos países do Ocidente e outros, e por aliados privilegiados os regimes do Oriente Médio mais prováveis de flagelação. Em 2011, depois do Iraque, Sudão, Afeganistão, Somália, Palestina, Iugoslávia, Irã, Ucrânia e alguns outros, nossos bichos papões, no entanto, bem absorvidos na tarefa do momento (proteger as populações da Jamahirya Líbia bombardeando-a, antes de liquidar fisicamente Kadafi) vão destinar à Síria um tratamento de escolha. É assim que as sanções vão aparecer desde os primeiros dias.
Em julho de 2012 (por questões éticas, tiramos o nome do jornal e dos jornalistas), um vídeo aparece na internet com um título em forma de pergunta: “A que servem as sanções contra a Síria”? Sobre isto, note o comentário escrito: “feito há mais de um ano como objeto de medidas de retaliação por parte da comunidade internacional com um sucesso limitado”. É necessário “punir e sufocar economicamente o regime de Bachar al Assad, que reprime com sangue seus opositores: este é o objetivo”. Nunca pararemos de ouvir esse refrão.
O vídeo diz que, em 23 de julho de 2012, a União Europeia adotou um novo pacote de sanções, pela 17ª vez em um ano (sic). Lembra que os EUA, o Canadá, a Austrália, a Suíça, a Turquia e a Liga Árabe (sequestrada pelo Catar e os regimes do Golfo) tomaram medidas equivalentes.
Sem fazer uma lista interminável de sanções impostas, renovadas e reforçadas nos anos seguintes, não seria inútil, relembrar de passagem,  em atenção aos distraídos, aos ignorantes ou aos de boa fé, o script geral da obra-prima dos dirigentes ocidentais e de suas burocracias sádicas:
1. De início vêm as sanções clássicas: “aplicadas” pelo Conselho de Segurança, em maio de 2011.
As primeiras medidas tomadas pela União Europeia eram relativas à proibição (recusa de liberar vistos) e ao bloqueio de bens de 150 personalidades do regime sírio.
Além disso, umas 50 empresas “apoiadoras do regime” são submetidas a boicote, incluindo cinco organismos militares, de acordo com o embargo adotado “sobre as exportações de armas e materiais suscetíveis de serem utilizados para repressão”. É também proibido que a Síria exporte equipamentos, tecnologias ou programas destinados a monitorar ou interceptar comunicações via internet ou telefones.
2. Em 10 de agosto de 2011, o governo estadunidense impõe sanções econômicas contra as empresas de telecomunicações sírias e os bancos ligados a Damasco, impedindo os cidadãos estadunidenses de estabelecer negócios com o Banco Comercial da Síria, o Banco Sírio-Libanês Comercial ou Syriatel. Os bens dessas empresas nos EUA são bloqueados, quer dizer, roubados. Hillary Clinton anuncia, então, um embargo total sobre as importações de petróleo e de produtos petrolíferos provenientes da Síria.
Seguindo o exemplo de seus mestres, a União Europeia aprova vários pacotes de sanções suplementares, incluindo o embargo sobre o petróleo. O último visando reduzir as trocas comerciais a fim de asfixiar a economia do país.
3. Em seguida, viriam as sanções diplomáticas (chamada dos embaixadores para consultas) decididas desde o outono de 2011, após o duplo veto russo-chinês sobre o projeto de resolução islâmico-ocidental visando a provocar na Síria um processo como na Líbia. Os Estados Unidos retiraram de Damasco seu embaixador de terceira categoria e vários Estados da União Europeia fizeram o mesmo.
Juppé recordou sua primeira vez em 17 de novembro de 2011: “erro fatal” para o ministro. Após um falso retorno, sua saída definitiva será em fevereiro de 2012. Nomeado em maio de 2012, Fabius fará ainda melhor: apenas empossado, ele expulsará a embaixatriz da Síria em Paris, esquecendo que esta última é igualmente representante na Unesco e que não poderia obriga-la a sair.
4. Em 2012, acontece o fechamento da companhia aérea Syrianair em Paris, depois da interdição de toda ligação entre a França e a Síria e, de uma maneira mais geral, entre as capitais europeias e Damasco.
Infelizmente, os especialistas se lamentam cheios de unção e compunção, de que nem todo mundo está de acordo com o embargo, o que limita seu alcance. A bela unanimidade que, de 1991 a 2011, juntou os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança em torno dos três ocidentais não existe mais e isto é um elemento determinante que permite quebrar a arrogância e a onipotência dos poderosos do Atlântico. Dedos acusadores apontam “certos países que não jogam o jogo”? Mas é mesmo um jogo? A Rússia e a China apoiam o governo e o Estado sírio: elas serão demandadas a se “juntarem à comunidade internacional”. A Síria pode igualmente contar com a ajuda multiforme de seu aliado, o Irã, mas este já está sob pesadas sanções. Outros países, como o Brasil, não ajudam os ocidentais? Além disso, certos Estados arrastam os pés na União Europeia, e os acordos contra Damasco se multiplicam.
Certamente, é difícil fazer funcionar esse bloco que asfixia progressivamente a Síria, mas nossos perfeccionistas se consolam: é inegável que já aparecem os resultados esperados. Após cinco anos de sanções e de fúria coletiva, o povo sírio está exausto e vive em condições terrificantes. Nossos grandes dirigentes, tão bons e puros, desconhecem a verdade, não a de seus protegidos emigrantes que vivem no calor ou no frio à sombra de seus protetores, mas a verdade dos habitantes que permaneceram em seu país. Longe do paraíso da revolução que os primeiros fizeram acreditar, longe do paraíso ao qual aspiram os jihadistas democráticos e os terroristas moderados, é um inferno o que vivem os sírios da Síria real, um inferno que se deve ao fanatismo de seus “libertadores” e de seus aliados turcos ou árabes tanto quanto ao sadismo do “eixo do bem”, financiadores de terroristas e grandes distribuidores de punições eternas.
As sanções conseguem destruir um país que era mais próspero, quase sem dívidas, autossuficiente para suprir suas necessidades essenciais e bem situado globalmente. Elas acabaram por atingir o tecido nacional sírio, soldado por uma tolerância “laica” bastante exemplar, sem conseguir, no entanto, desestruturá-la. O objetivo desse “politicídio” era (e ainda é) desmoralizar as populações, levando-as a perder confiança na legitimidade de seu Estado, seu governo, seus dirigentes, suas instituições, seu exército, dando-lhes a ilusão de que o Ocidente está felizmente lá para “salvá-los do tirano que as massacra” e acolher em seu seio os refugiados e os desertores.
O terrível balanço registrado no Iraque – um milhão e meio de mortos, dos quais 500 mil crianças – está aí para lembrar que as sanções são uma arma de destruição em massa, utilizada com um total cinismo pelos “donos do mundo”. Para Madeleine Albright, sem dúvida, os “efeitos colaterais” valem a pena. Estamos vendo o resultado.
Na Síria, as “punições” ocidentais não são melhor intencionadas. Elas visam a domar um povo resistente e forçá-lo a aceitar a fatalidade de uma mudança de regime, ou levá-lo a fugir ou a desertar… Para sangrar o país de sua juventude já formada, de seus quadros que aspiram a viver melhor em um clima de paz… Para fazer desses refugiados um povo de mendigos, à mercê de traficantes de toda espécie: testemunho disto são essas crianças e mulheres instaladas à noite nas esquinas das boulevards parisienses por grupos inquietantes.
Há 5 anos, nossos políticos, nossos jornalistas complacentes, nossos intelectuais perdidos ou desviados participam, com algumas exceções, na enorme conspiração de mentiras que transforma a Síria de legítima e soberana em usurpadora e massacradora; e seus agressores e patrocinadores, orientais ou ocidentais, em libertadores revolucionários. Além do horror e o pavor que causam as imagens desta guerra selvagem, como não ter náusea diante dessa cegueira, voluntária ou não, de nossas elites que preferem dar crédito às mentiras de seus aliados e protegidos criminosos mais do que aos inúmeros testemunhos das vítimas que designam sem ambiguidade seus algozes? Como não ter náusea diante dessa cumplicidade assumida, camuflada por um silêncio sistemático? Como, enfim, não tremer diante desse alinhamento e dessa boa fé de cimento de nossos formadores de opinião?
A solução não consiste em acolher na Europa, os refugiados que nós, de um jeito ou outro, criamos alimentando a guerra universal de agressão e a jihad na Síria. É necessário acabar imediatamente, sem prazos e sem condições, as sanções que são destinadas a quebrar todo um povo. É necessário pôr fim à guerra e não desligá-la do seu impacto por meios sórdidos, astutos e iníquos que são as sanções ao estilo ocidental.
É necessário fazer justiça a esse povo martirizado e humilhado. E a mais elementar das justiças, a primeira, é não mais acobertar os crimes ferozes que procuram destruir sob o nome da intolerância a Síria tolerante. Isto implica igualmente não mais tolerar a impudência dos mestres que punem e ficam impunes, com a morgue dos arrogantes. Chega de mentiras, chega de hipocrisia, chega de lições.
Repetimos, é necessário acabar com as sanções criminosas e celeradas que matam a Síria e seu povo. Nem em um mês, nem em um ano, mas agora. Isso não é uma questão de diplomacia, é uma questão de honra, e a França seria honrada proclamando, de sua parte e a título nacional, o fim das sanções.
Michel Raimbaud

raimbaud_michel
Syrie – Le mensonge, la nausée et les sanctions
Tradução de Andreia Duavy para Resistência

Michel Raimbaud é um antigo embaixador da França. Seu interesse é focado particularmente sobre as problemáticas do mundo árabe-muçulmano e da África, regiões onde ele acumulou uma expertise fundada em experiências atuando no local. Participou em quatro missões marcadas por situações difíceis e negociações delicadas, como embaixador na Mauritânia (de 1991 a 1994), no Sudão (durante mais de cinco anos) e no Zimbabwe (três anos). Igualmente, conhece profundamente o Brasil, onde atuou em dois períodos, de 1967 a 1968, e de 1988 a 1991, como ministro-conselheiro da Embaixada da França em Brasília. Aposentado desde outubro de 2006, ele desenvolve atividades de professor e conferencista, notadamente em benefício do Centro de Estudos Diplomáticos e Estratégicos (CEDS). É condecorado como Oficial da Ordem Nacional da Legião de Honra.

segunda-feira, 21 de março de 2016

Irã e Rússia podem normalizar situação no Oriente Médio'


'Irã e Rússia podem normalizar situação no Oriente Médio'. 24010.jpeg
Bandeiras Russa e Iraniana 

















Entre as ameaças que a região está enfrentando, a maior (geralmente admitida) é a que parte do grupo terrorista Daesh (proibida na Rússia e reconhecido pelo Brasil como uma organização terrorista). Este é o alvo dos ataques que a Força Aeroespacial russa realiza na Síria ao pedido oficial do presidente sírio Bashar Assad desde 30 de setembro.
O conselheiro do chanceler iraniano comentou à Sputnik a situação na região e o papel que a Rússia desempenha.
Em declarações à Sputnik, o conselheiro Seyed Mohammad Kazem Sajjadpour notou toda a complexidade da situação atual no Oriente Médio, dizendo:
"Nunca antes a região do Oriente Médio se viu tão profundamente imersa em um conflito - de tal forma global e local - como hoje. Nunca antes tantas pessoas morriam como hoje. E nunca antes tantos países foram envolvidos nesses conflitos, como hoje", disse.

Os êxitos desta operação já têm sido várias vezes admitidos por especialistas. O Estado-Maior russo ainda no início do ano enumerou as cinco províncias em que as operações mostraram sucessos especiais. São Aleppo, Latakia, Hama, Homs e Raqqa. Nomeadamente, em Latakia o exército sírio conseguiu retomar o controle das alturas estratégicas e libertar seis povoações-chave. Além disso, as fileiras das milícias patrióticas pró-governo estão continuamente aumentando.Entre as ameaças que a região está enfrentando, a maior (geralmente admitida) é a que parte do grupo terrorista Daesh (proibida na Rússia e reconhecido pelo Brasil como uma organização terrorista). Este é o alvo dos ataques que a Força Aeroespacial russa realiza na Síria ao pedido oficial do presidente sírio Bashar Assad desde 30 de setembro.
O sucesso da operação é tão óbvio que até mesmo militares norte-americanos o admitiu.
"Por exemplo, é a interação entre o Irã e a Rússia que mudou o curso dos acontecimentos na Síria. Mas isso não significa que o Irã e a Rússia não tinham abandonado as suas posições independentes. As posições e ações comuns permitiram mudar a situação na região. Ao mesmo tempo, a expectativa mundial é que a Rússia e o Irã são capazes de estabilizar e normalizar a situação no Médio Oriente", disse o diplomata iraniano.
Ele notou também que mesmo tendo em conta toda a instabilidade e multipolaridade da região, o Irã continua independente, como um jogador mais forte e influente. Por isso cabe mencionar as suas relações com outros países da região, sublinha:
"Claramente o Irã é um jogador-chave que influi os acontecimentos na região. Sem a participação do Irã não são resolvidas nenhuma crise regionalGeralmente, o Irã pode ser caraterizado como um país cuja estratégia externa está baseada em uma mistura de princípios da identidade independente, estabilidade interna e segurança, independência da política externa", declarou.+
Pars Today
- See more at: http://port.pravda.ru/russa/22-03-2016/40627-ira_russia-0/#sthash.MhYJ4Ery.dpuf

quinta-feira, 17 de março de 2016

A história e o fascínio do "feiceismo" dos movimentos de direita no Brasil




Mangabeira, quando na presidência do Congresso Nacional ter beijado a mão do General americano Dwight Eisenhouwer candidato a presidente daquele país, como se pode ver nessa foto.



A história e o fascínio do "feiceismo" dos grupos de direita , o novo partido único da direita, dirigido por grupos petroliferos dos EUA, CIA, FIESP e mídia golpista. História breve do Brasil, - da Ditadura ao "Feicismo" - ,  dedicada aos jovens que estão nas ruas fazendo o movimento golpista contra o governo Dilma, Lula e o PT, incoerentes e dispersos, sem uma pauta política para o país avançar, mas que são usados usados pela CIA para fazer o Brasil voltar atrás.


Rogerio Mattos Costa, de Madrid, com a  colaboração de Valdir Pereira.

História breve do Brasil, - da Ditadura ao "Feicismo" - 

1. Nos anos 50, eles se agrupavam num partido chamado UDN, que defendia sempre os interesses dos Estados Unidos no Brasil, a ponto de seu presidente, o tristemente célebre deputado Mangabeira, quando na presidência do Congresso Nacional ter beijado a mão do General americano Dwight Eisenhouwer candidato a presidente daquele país, como se pode ver nessa foto.
2. Sempre derrotados pelos trabalhistas, chefiados primeiro por Vargas e depois por Brizola e Juscelino em 1959 eles chegam à conclusão que precisariam deixar de parecer partido das elites e tinham que conseguir um candidato que parecesse ser do povo se quisessem ganhar as eleições presidenciais.
3. Em 1960, finalmente, eles tinham vencido uma eleição para presidente, tendo como candidato Jânio Quadros, um candidato que, nos comícios, comia na frente do microfone um grande sanduiche de mortadela para parecer popular e usava uma vassoura na mão como símbolo de que iria acabar com a corrupção.

4. Mas seu presidente, Jânio Quadros, renunciou seis meses depois de tomar posse. Eles e os militares queriam impedir que o vice tomasse posse, que na época era eleito em separado, João Goulart, também um trabalhista.
5. Em 1962 e 1963 eles tentaram por três vezes, sem sucesso, aplicar um novo golpe de estado. Seu chefe era Carlos Lacerda, jornalista financiado pela Agencia Central de Inteligência, a CIA, que teve um papel chave na deposição e morte de Getúlio Vargas em 1954.
6. Aproveitando-se da grande religiosidade do povo, eles criaram programas religiosos nas principais rádios do Brasil, nos quais pretensos "padres americanos", na verdade agentes da CIA infiltrados na igreja católica, chefiados por Patrick Peiton, diziam que a "Virgem Maria os havia enviado ao Brasil para salvar o país de vocês do comunismo."
7. Finalmente, aliados a alguns generais brasileiros e chefiados por Lacerda, então governador da Guanabara e pelo embaixador americano Lincoln Gordon, em 1º de Abril de 1964, eles derrubaram, com o total apoio dos seus veículos de comunicação, não apenas o presidente trabalhista, João Goulart, mas o regime democrático.
8. Entre outros "crimes", eles acusavam Goulart de defender a reforma agrária e principalmente por ter aumentado em 100% o salário mínimo, congelado por oito anos, o que era um sinal de que o presidente eleito "queria implantar o comunismo no Brasil".
9. Com seus rádios e TVs, num mesmo dia, eles convocaram uma "Marcha dafamília, com Deus pela liberdade", que levou às ruas dezenas de milhares de pessoas, principalmente da classe média, para "pedir a intervenção dos militares". Tal como ocorre hoje em dia no Egito, no Brasil, na Turquia, através do "Facebook".
10. Para dar o golpe, eles e os generais revoltosos cometeram vários crimes. Entre eles o principal, de traição de sua pátria, conspirando contra seu próprio governo, dentro da embaixada americana no Rio de Janeiro, planejando o golpe com a ajuda de generais estadunidenses, chefiados por Vernon Walters, que era da CIA.
11. Para perpetrar o golpe, eles contaram com a ajuda do porta-aviões, dos navios e dos bombardeiros da Sétima Frota da Marinha dos Estados Unidos, deslocada do Caribe para dar apoio militar aos generais que traíram seus próprios camaradas de armas, como provam estas gravações entre o presidente estadunidense Lyndon Johnson e seus auxiliares.
12. Caso o golpe não tivesse sucesso, o comando da Sétima Frota recebeu, dos generais brasileiros aliados dos golpistas, as informações precisas sobre onde atacar as tropas que permanecessem leais ao presidente eleito.
13. Por meio de mapas e fotos aéreas, os golpistas apontaram aos militares americanos, onde estavam os quartéis dos nossos soldados, nossas baterias anti-aéreas e de artilharia de costa, cometendo assim um autêntico ato de traição à pátria.
14. Eles apontaram ainda como alvos principais que precisavam ser destruídos para minar a resistência do governo, a Refinaria Duque de Caxias da Petrobrás, a Usina Siderúrgica Nacional e a Fábrica Nacional de Motores, empresas estatais contra cuja criação, seu partido, a UDN, sempre havia se oposto "para não fazer concorrência com as empresas privadas", a grande maioria estrangeiras.
15. Após consolidado o golpe, eles e os generais que com apoio entusiástico de seus jornais haviam roubado o poder para "defender a Democracia com a Ajuda de Deus", traíram suas promessas e nunca mais realizaram eleições diretas para presidente, governador e prefeitos das capitais.
16. Eles fecharam o congresso, cassaram mandatos, prenderam prefeitos, vereadores, parlamentares adversários. A alguns como o deputado comunista Gregório Bezerra amarraram na traseira de um Jeep do exército e arrastaram meio morto, algemado, pelas ruas de Recife.
17. Eles implantaram o regime de exceção, que governava por decretos e não por leis, que seus jornais, rádios e TVs aplaudiram e louvaram por 21 anos.
18. A ditadura que eles apoiaram proibiu a existência de partidos políticos, estabeleceu a censura a livros, revistas, músicas, poesias, rádios e jornais que deveria aprovar antes, qualquer coisa antes de ser publicada. Centenas de jornalistas foram presos, torturados, mortos ou processados naquela época.
19.   A ditadura que eles apoiaram, fechou milhares de sindicatos em todo o Brasil, cassou mandatos de senadores e deputados adversários, prendeu sem ordem judicial, sequestrou, torturou e matou seus opositores e qualquer pessoa que continuasse defendendo a democracia.
20.   Em 1968, devido a manifestações estudantis muito menores do que as atuais, que eles classificavam de "perigoso atentado terrorista", eles aplaudiram o fechamento do congresso e a cassação do deputado federal Márcio Moreira Alves.
21. Eles interviram no Supremo Tribunal Federal, colocando lá, advogados ambiciosos que prestavam serviços às suas empresas, que agradecidos pela fama e pelos salários, não se importaram nada com as violências contra as instituições democráticas e os direitos individuais.
22. Eles sempre quiseram interferir na memória da juventude, sempre jogaram muito na alienação dos estudantes, na sua cooptação para que se esquecessem do que haviam presenciado . E principalmente no repúdio e no esquecimento dos jovens quanto à nossa música, à nossa cultura.
23. E aqui começa algo que iria se repetir ao longo de mais de quarenta anos: a sucessiva troca de nome dos partidos usados por eles.
24. A coisa funcionava assim: na medida em que o povo, nas eleições, os derrotava seus partidos, pois identificava a sua sigla com os que atuaram sempre contra os trabalhadores e a favor dos interesses de empresas e do governo dos Estados Unidos, eles mudavam o nome dos seus partidos.
25.   UDN, ARENA, PDS, PFL, DEM, PSDB...Imagino que você já ouviu falar nesses nomes de partidos, é claro. Mas é sempre bom conhecer mais um pouco.
26. Uma vez que a UDN, seu primeiro partido, já tinha ficado conhecida pelo povo como partido que atentou contra a democracia e como partido dos golpistas, aliados das empresas americanas, eles trocaram seu nome e a velha UDN passou a chamar-se ARENA, ou "Aliança Renovadora Nacional".
27. Através de suas estações de televisão, eles promoveram uma verdadeira lavagem cerebral em massa, ganhando de uma só vez, centenas de concessões de rádio e TV, em todo o país, formando uma rede de veículos de comunicação.
28. Nos 21 anos que se seguiram, eles ganharam fortunas imensas, medidas em bilhões de dólares como pagamento da publicidade oficial que faziam dos governos da ditadura, sem qualquer tipo de licitação.
29. Através do emprego de equipamentos de televisão de ultima geração e do vídeo tape e com recursos quase ilimitados, eles passaram a produzir programas e telenovelas de qualidade muito elevada para a época, que passaram a hipnotizar a classe média.
30. Nas eleições eles sempre apoiaram descaradamente a ARENA, que era a antiga UDN. Faziam isso como hoje em dia, sem nenhuma preocupação em manter um mínimo de imparcialidade. Eles simplesmente ignoravam a existência do único partido de oposição que era permitido, que era o MDB.
31. Nas eleições para vereadores e deputados, as únicas permitidas, os candidatos ou qualquer um que criticasse o governo era simplesmente preso, torturados e vários simplesmente desapareceram. Muitos foram mortos sob tortura e seus corpos jogados do alto de aviões, sobre o mar.
32. Assim mesmo, a partir de 1974, a máscara começou a cair e a ARENA começou a ser reconhecida como o partido da ditadura e então para tentar enganar os eleitores eles mudaram seu nome, que já tinha sido UDN, agora para PDS ou "Partido Democrático Social".
33. Em 1978, quando através de greves e manifestações os trabalhadores protestaram contra o arrocho salarial, eles ficaram contra os trabalhadores e a favor da repressão aos operários. Suas emissoras de TV mostravam Lula e os trabalhadores em greve como terroristas, bandidos e arruaceiros e aplaudiram sua prisão e o fechamento dos sindicatos paulistas.
34. Em 1979, quando Lula propôs a criação de um partido da classe trabalhadora, eles com seus veículos de informação fizeram de tudo para impedir, ridicularizando a iniciativa e dizendo que nunca isso seria possível, já que seus membros seriam ignorantes, incultos e semi-analfabetos.
35. Quando em 1986, a população saiu às ruas em todo o país para exigir a realização de eleições diretas para presidente e governadores, eles simplesmente não transmitiam nenhuma imagem, nem noticiavam nenhuma manifestação.
36. Sabendo que não iriam poder manter aquela situação por mais tempo, e vendo que haveriam eleições diretas eles trocaram novamente o nome do seu partido, que de PDS, passou a chamar-se PFL - "Partido da Frente Liberal".
37. Para auxiliar o PFL, que já nasceu muito "manjado" como partido da ditadura, eles criaram outro partido, chamado PSDB, chefiado por Fernando Henrique Cardoso, sociólogo que também era financiado pela Agencia Central de Inteligência, como contou a escritora Francis Stonor Sauders em seus livro "Quem pagou a conta?"
38. Em 1989, eles criaram a figura de Fernando Collor como o Caçador de Marajás, apoiando sua campanha de forma descarada, pois ele mesmo era um membro de sua rede de TVs.
39. Quando Lula enfrentou Collor nas eleições em 1989 e chegou ao segundo turno, eles editaram o debate na TV, retirando partes onde Collor foi mal e retirando os momentos onde Lula foi bem.
40. Nas quatro eleições presidenciais em que Lula concorreu, eles ficaram abertamente a favor de Color, FHC e Serra. Na ultima eleição, eles ficaram contra Dilma, com todas as suas televisões apoiando Alkmin e foram mais uma vez derrotados.
41. O PFL, seu partido, ficou tão desmoralizado que só ganhou as eleições para governador em um único Estado. E de nada adiantou, mais uma vez, eles terem mudado seu nome para Democratas, ou DEM, pois o povo, com a ajuda da internet, começou a seguir seus passos nessa floresta de siglas e nomes de partidos que eles criaram para confundir o povo.
42. Mas eles nunca desistem. Derrotados nas urnas a cada dois anos desde 2002, com seus lideres e seus partidos totalmente desacreditados, eles tentam novamente, sempre contando com apoio decidido da Agencia Central de Inteligência e do Governo dos Estados Unidos.
43. O governo americano e suas empresas monopolistas não admitem que o Brasil tenha crescido do 10º para o 6º lugar entre as maiores economias do mundo, nem que sejamos os maiores produtores de vários produtos industriais e agrícolas do mundo. E nem que tenhamos um governo que não obedeça a tudo que eles mandam.
44. Eles e seus patrões americanos não suportam a ideia de que um metalúrgico e uma ex-guerrilheira tenham colocado 1,5 milhão de jovens pobres nas universidades e construído 240 escolas técnicas federais, criando 18 milhões de empregos em dez anos.
45. Eles e seus patrões americanos não suportam a ideia de que apenas esses dois presidentes tenham tirado 28 milhões de pessoas da miséria absoluta com o Bolsa Familia e 31 milhões tenham passado da pobreza para a classe média.
46. Mas os tempos são outros. Agora, na era da informática e da internet, em todo o mundo, basta ver os telejornais para perceber que eles não usam apenas tanques de guerra, soldados, nem só jornais, rádios e TVs para derrubar governos.
47. Manejando programas de internet como "Facebook" desenvolvidos por encomenda do próprio governo dos Estados Unidos, eles tentam agora, derrubar a Presidenta Dilma.
48. Em vez de usar tanques de guerra e a sétima frota da Marinha Americana, eles agora tentam um golpe de tipo novo, com ajuda de programas que também são encontrados em versões comerciais, que simulam serem autênticos, mas que enviam de um único computador milhares de mensagens por minuto.
49. Percebendo que iriam perder as próximas eleições em 2014 eles pretendem tornar realidade mais uma vez, seu velho sonho: como seus partidos estão desmoralizados, querem acabar com os outros partidos políticos e implantar a sua ditadura mais uma vez.
50. E novamente, dar um golpe de estado, novamente com a ajuda da CIA, que criou o Facebook e os sistemas usados como ferramenta de controle e de mobilização de milhares de pessoas "adicionadas", que recebem mensagens de "seus amigos", sem saber que podem não ser verdadeiras, como denunciaram Julien Assenge e Edward Snowden.
51. No "Facebook" pessoas identificadas com eles dizem que querem acabar com os partidos políticos.
52. E que querem criar uma "Democracia Direta", que funcionaria pela internet, através do "Facebook". Eles querem que Dilma renuncie, que os partidos sejam fechados.
53. Em vez de eleições diretas, votação pela internet. Em vez de Congresso Nacional, votação pela internet.  Mas qual a garantia de segurança e autenticidade da votação?
54. Isso "eles" não explicam.
55. O único partido admitido seria o "Partido do Facebook", como se em qualquer lugar não se pudesse comprar e baixar programas que votam dezenas de vezes em qualquer "pesquisa", que enviam milhares de mensagens automáticas em nome de milhares de pessoas diferentes.
56. Eles querem que acreditemos que quem não defende o "Feicismo" é antiquado, "careta" e atrasado. Eles querem incentivar inúmeros conflitos no seio do povo, jogando jovens contra "velhos". Querem jogar evangélicos contra gays. Querem jogar os que são a favor do aborto contra os que são contra o aborto. Eles querem dividir o povo e desviar a atenção das verdadeiras questões.
57. Por exemplo, na questão do transporte coletivo, eles e seus meios de comunicação nem tocaram na questão do excessivo e abusivo lucro e sinais exteriores de riqueza das empresas que dominam, por meio de cartéis fechados, o negócio em cada capital do país.
58. Eles estimulam através do "Feice" e da televisão, cenas de violência, de preconceito, de intolerância. Enquanto isso tentam manipular e orientar as manifestações de rua através do "Anonymous", uma empresa privada, com sede em Londres, criada pela CIA para contratar jovens de classe média entusiasmados com computadores e jovens desempregados do terceiro mundo.
59. É preciso reagir a essa tentativa da inteligência militar norte-americana, inglesa e israelense de manipular os movimentos de rua, divulgandoas informações imparciais.
60.   Eles devotam um ódio irracional contra Lula por não poderem admitir que um operário tenha em oito anos, criado mais de 15 milhões de empregos, tirado 28 milhões de pessoas da faixa da miséria e passado 31 milhões de pessoas da pobreza para a classe média.
61. Eles estimulam o preconceito racial, o ódio religioso, o preconceito contra nordestinos e todo tipo de pensamento que seja mesquinho, egoísta, conservador e reacionário.
62. Eles pre elogiam e se admiram nos americanos.
63. Eles estão agora no Brasil, atacando o Brasil através de agentes brasileiros contra as nossas conquistas, contra a democracia, contra qualquer coisa que seja brasileira, são contra qualquer política social compensatória como o Bolsa Família, que mantem as crianças nas escolas e vacinadas, propiciando mais dignidade a milhões de famílias, principalmente aquelas dirigidas por mulheres.
64. Eles são contra as cotas sociais e raciais nas universidades, que já permitiram que mais de um milhão e meio de jovens pobres e descendentes de vítimas da escravidão, tivessem condição de formar-se médicos, engenheiros, advogados, etc.
65. Aproveitando a lavagem cerebral promovida pela TV durante esses 50 últimos anos, bem como a falta de qualquer preocupação do governo e do PT em dar educação política ao povo, em ter qualquer meio de comunicação que não esteja sob o controle do capital americano, inglês ou israelense, eles querem culpar Lula, Dilma e o PT pelo enorme atraso do Brasil. Que por ironia, são exatamente aqueles que mais fizeram pela diminuição dessas desigualdades.
66. Trabalhando para eles, comandados por eles, vicejam dentro do "face" inúmeros agrupamentos que usam o "charme da clandestinidade" para atrair os incautos e os mais distanciados da realidade. Será que alguém ainda acredita que um grupo de valentes cidadãos anônimos teria tanto dinheiro e recursos para produzir centenas de vídeos contra o governo brasileiro como os atuais grupos de direita?
67. Alguns grupos são extremamente preparados, controlados de fora do país como os Vem pra rua, Revoltados ON LINE, MBL, formados pela CIA, pelo Mossad e pelo M-16, os serviços secretos de Israel e da Inglaterra.
68.   Usando jovens mascarados, são eles que tentam conduzir e direcionar as manifestações e com a ajuda da TV e de vídeos postados no Youtube, impor a elas suas palavras de ordem e as suas pautas, bem como sugerir seus trajetos, estimular os atos de violência.
69. Agora, se movimentam em manifestações contra a posse de Lula na Casa Civil do governo federal e entram com medidas judiciais para impedir sua posse, com complacência de um juiz que ofende Dilma no "Facebook".
70. Será que a essa altura, você já sabe quem são "eles"?

Parabéns!
Se souber, você já passou para o outro nível de nosso Curso Breve de História.
Agora é só aguardar.